Marcação de visita






Modelo Pedagógico do Jardim de Infância do Valsassina

Modelo Pedagógico (PDF)

Perfil do aluno à saída do Jardim de infância (PDF) 

Educação emocional

A educação emocional favorece o relacionamento intra-pessoal e inter-pessoal, melhora a aprendizagem, facilita a resolução de problemas e promove o bem-estar pessoal e social.

É formada por um conjunto de competências, conhecimentos e atitudes, relacionadas com a capacidade de reconhecer e gerir de forma adequada as emoções, estabelecer relações positivas, efetuar escolhas éticas e construtivas contribuindo para uma boa autoestima nas crianças, o que lhes permite realizar as tarefas de forma eficaz.

Competências emocionais

  • Consciência emocional – capacidade de ter consciência das próprias emoções e das dos outros;
  • Controlo emocional – capacidade de gerir as emoções de forma adequada;
  • Autonomia emocional – capacidade de produzir as emoções apropriadas num determinado momento. Isto inclui uma boa autoestima, atitude positiva perante a vida e responsabilidade;
  • Habilidades sócio-emocionais – capacidade de manter boas relações com os outros;
  • Habilidades de vida e bem-estar emocional – comportamentos apropriados e responsáveis para enfrentar desafios, o que permite organizar a vida de uma forma sã e equilibrada
APRENDER A SER PARA APRENDER A FAZEaquiR

A felicidade do ser humano depende não só dos conhecimentos teóricos e práticos que se adquirem ao longo da vida nas mais variadas circunstâncias, mas sobretudo, da forma como se interage com os outros e com o mundo em geral.

Se a criança aprender a lidar melhor com as suas emoções e com as dos outros, terá uma maior segurança e um equilíbrio interior indispensáveis para a realização pessoal, numa sociedade que se quer melhor e mais solidária.

Esta capacidade de se conhecer a si mesmo e aos outros, de gerir as suas emoções e conflitos e de estar atento ao “outro”, aprende-se e trabalha-se ao longo da vida mas principalmente desde a Infância.

Assim, o modelo pedagógico do Valsassina no Jardim de Infância tem como principal objetivo ajudar as nossas crianças a “conhecer-se a si própria”, a gerir as suas emoções, para se construírem interiormente e poderem ser PESSOAS emocionalmente inteligentes, capazes de, conhecendo-se e conhecendo os outros, interagir de uma forma positiva, contribuindo para um mundo melhor e mais feliz.

Através de uma evolução educativa com estratégias diferenciadas pretendemos que, ao longo dos 3 anos do Jardim de Infância do Valsassina, as nossas crianças consigam dar os primeiros passos no desafio de descobrir quem são, a aprender a ser pessoas, a distinguir-se dos outros, a criar uma individualidade, a desenvolver a afetividade, sentindo-se estimados e mais felizes.

Do mesmo modo, pretendemos desenvolver a área das ciências. O projeto de ciência para crianças é um processo que interpela o seu pensamento e leva à ação na procura de níveis superiores de conhecimento e compreensão do mundo físico e natural que as rodeia. Partindo das suas ideias, as crianças irão construindo noções científicas e conceitos científicos simples que lhes permitirão evoluir mais tarde para conceitos mais complexos.

Assim, queremos:

  • Estimular o ensino pela descoberta e pela partilha através da experimentação e desenvolvimento sensorial; proporcionar o contacto direto com a natureza no nosso espaço-quinta permitindo a atividade física tão fundamental numa educação para a saúde e bem estar. Elas são levadas a experimentar cheiros, texturas e a partilhar sensações e emoções com as outras crianças, com as Educadoras e em trabalhos de projeto com os próprios Pais;
  • Valorizar as suas brincadeiras como elemento essencial de relação com a natureza e com a cultura do mundo adulto;
  • Criar condições que permitam divertir-se e deslumbrar-se com a aprendizagem, com o crescimento, com a própria vida, em detrimento de uma ênfase nos êxitos

Através da aquisição de ferramentas de gestão emocional e de estimulação das várias competências emocionais, pretendemos facilitar às nossas crianças aprendizagens significativas para o seu desenvolvimento integral e uma consequente capacidade de olhar a vida com uma atitude positiva, responsável e, sobretudo, mais feliz.

O modelo pedagógico do Valsassina no Jardim de Infância, para além da importância dada à educação emocional e à educação para a ciência no dia a dia das crianças, pretende trabalhar a inteligência de uma forma global e equilibrada, desenvolvendo os seus múltiplos fatores:

  • Fatores linguísticos – desenvolvidos em todas as aulas que usam a expressão e compreensão oral tornando as crianças competentes no uso da linguagem, despertando o gosto por ouvir e contar histórias, lengalengas, poesias e uma progressiva aquisição de uma consciência fonológica que permitirá mais tarde uma aprendizagem formal da leitura e da escrita. A aprendizagem precoce do Inglês potencia também esse desenvolvimento uma vez que a aquisição de uma segunda língua estrangeira torna a criança mais apta para compreender outras culturas e outras formas de comunicar para além de ter um impacto positivo no desenvolvimento do cérebro; aos cinco anos, na filosofia para crianças, através do diálogo, discussão de ideias, questionamento e raciocínio, as crianças são levadas a saber pensar sobre um assunto e questioná-lo;
  • Fatores logico-matemáticos - aquisição do sentido do espaço, do número e das operações a partir do quotidiano. As Crianças aprendem a resolver problemas e a relacionar dados, o que é fundamental para uma aprendizagem formal mais fácil e com sucesso ao longo da sua vida escolar;
  • Fatores quinestésicos - desenvolvidos através da manipulação de jogos, puzzles, jogos dramáticos e mímica na sala de aula, bem como nas aulas de Educação Física;
  • Fatores visuais/espaciais - desenvolvida na Educação pela Arte através dos Ateliers de Expressão Plástica que privilegiam e estimulam o desejo de fazer, de inventar, de experimentar, de manipular materiais, permitindo às crianças transformar o que vêem e sentem no seu equivalente estrutural: no desenho, na pintura ou na modelagem;
  • Fatores musicais - desenvolvidos nas aulas com a educadora e nas aulas de Educação Musical.

Fatores múltiplos da inteligência

  • Plano anual de expressão plástica
  • Plano anual de matemática
  • Plano anual de linguagem oral e abordagem à escrita / consciência fonológica
  • Plano anual de inglês
  • Plano anual de educação musical
  • Plano anual de educação física / plano de desenvolvimento básico (PDB)

Pretende-se trabalhar a inteligência de uma forma global e equilibrada, desenvolvendo os seus múltiplos fatores:

  • Fatores linguísticos – desenvolvidos em todas as aulas que usam a expressão e compreensão oral tornando as crianças competentes no uso da linguagem, despertando o gosto por ouvir e contar histórias, lengalengas, poesias e uma progressiva aquisição de uma consciência fonológica que permitirá mais tarde uma aprendizagem formal da leitura e da escrita. A aprendizagem precoce do Inglês potencia também esse desenvolvimento uma vez que a aquisição de uma segunda língua estrangeira torna a criança mais apta para compreender outras culturas e outras formas de comunicar para além de ter um impacto positivo no desenvolvimento do cérebro; aos cinco anos, na filosofia para crianças, através do diálogo, discussão de ideias, questionamento e raciocínio, as crianças são levadas a saber pensar sobre um assunto e questioná-lo; 
  • Fatores logico-matemáticos - aquisição do sentido do espaço, do número e das operações a partir do quotidiano. As Crianças aprendem a resolver problemas e a relacionar dados, o que é fundamental para uma aprendizagem formal mais fácil e com sucesso ao longo da sua vida escolar;
  • Fatores quinestésicos - desenvolvidos através da manipulação de jogos, puzzles, jogos dramáticos e mímica na sala de aula, bem como nas aulas de Educação Física;
  • Fatores visuais/espaciais - desenvolvida na Educação pela Arte através dos Ateliers de Expressão Plástica que privilegiam e estimulam o desejo de fazer, de inventar, de experimentar, de manipular materiais, permitindo às crianças transformar o que vêem e sentem no seu equivalente estrutural: no desenho, na pintura ou na modelagem;
  • Fatores musicais - desenvolvidos nas aulas com a educadora e nas aulas de Educação Musical.

Educação para a Ciência

A ciência para crianças é um processo que interpela o seu pensamento e leva à ação na procura de níveis superiores de conhecimento e compreensão do mundo físico e natural que as rodeia. É importante que a criança possa ter um contacto direto com atividades de natureza prática, contextualizadas, em que, incentivada pelo educador, possa fazer e pensar sobre o que faz, tenha a possibilidade de realizar explorações e manipulações que desenvolvam a sua natural curiosidade e criatividade, elevando-a ao limite máximo do potencial que há dentro de si.

Partindo das suas ideias vão construindo noções científicas e conceitos científicos simples que lhes permitirão evoluir mais tarde para conceitos mais complexos.

A aprendizagem do significado de termos científicos contribui ainda para o desenvolvimento da linguagem e enriquecimento do vocabulário

No jardim de infância queremos desenvolver nos nossos alunos as competências básicas para o trabalho experimental. São elas:

  • Observação – recolha de dados, utilizando todos os sentidos;
  • Classificação – organização da informação, agrupando os objetos/situações de acordo com um ou mais critérios;
  • Comunicação – utilização das diferentes formas de linguagem (oral, escrita, simbólica...) para expressar o seu pensamento;
  • Medição/estimativa – nesta fase etária as crianças são levadas a comparar, utilizando determinados padrões de medida seus conhecidos;
  • Previsão – explicação do que se espera;
  • Inferência – classificar o objeto/situação, enquadrar num padrão já conhecido, ou imaginar uma explicação para o que observa

Para o desenvolvimento deste trabalho, é necessário seguir os seguintes procedimentos:

  • Formulação de hipóteses – a partir de conhecimentos previamente adquiridos, delinear expetativas em relação aos resultados esperados;
  • Experimentação – processo de investigação de um determinado problema;
  • Representação gráfica – tradução, em diagrama, de todo o processo;
  • Interpretação de dados – análise dos resultados para elaborar conclusões.


Atitudes emocionais a desenvolver:

"...facilitam a aquisição de hábitos de estudo e constituem uma base para a construção da autonomia e do sentido de responsabilidade social." (Pereira, 2002:57)

  • Curiosidade – a curiosidade espontânea das crianças permite a criação de situações de aprendizagem. É necessário, no entanto, manter o seu interesse durante todo o processo;
  • Atitude positiva face ao insucesso – desenvolver um espírito positivo para, face ao insucesso, não desistir e tentar novamente;
  • Perseverança – persistência da criança para alcançar um objetivo;
  • Espírito aberto – saber lidar com a mudança e aceitar pontos de vista diferentes;
  • Cooperação – desenvolvida no trabalho de grupo/par de forma a favorecer a participação de todos no trabalho comum.

"Colocar as crianças em situação de terem de agir cooperativamente é lançar as bases para a sua melhor inserção na sociedade futura" (Pereira, 2002:62)


Atitudes intelectuais a desenvolver:

  • Vontade de mostrar ou ter pontos de vista alternativos e fundamentados;
  • Tolerância relativamente a outras opiniões, explicações ou pontos de vista;
  • Abertura para mudar de ideias perante a evidência e para se questionar.

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS:

Inauguração da Horta do Jardim de Infância aqui

Flutua ou não flutua? aqui

1ª Colheita na nossa horta aqui 

S. Martinho aqui 

Semana aberta do Laboratório aqui  

Quantidade: +, -, = ? aqui

O sol e as sombras aqui

Plantação do feijão aqui

Atividade de laboratório dos 5 anos A aqui

A chegada do Outono aqui

Germinação do feijão - 5 anos B aqui

Alimentação saudável - 5 anos A aqui